sexta-feira, 2 de janeiro de 2015


Sair do comodismo. Se jogar. Se arriscar. Acho que isso deve ser viver. Não deixar a vida passar enquanto a observa pela janela. Engraçado, sempre tive essa impressão, de que apenas observo a minha vida passando pela janela sem a acompanhar, sem aproveitar sua passagem. 
Acabo de lembrar de duas professoras que tive na faculdade. Uma delas (professora de Organização Temática da Informação) vivia nos dizendo que aproveitou sua vida por que não ficou na janela vendo a banda passar, ela foi atrás da banda e, não satisfeita apenas com isso, fez questão de tocar na banda. E que a gente deveria fazer isso também, por que ficar apenas olhando nos causará arrependimento quando não tivermos mais forças para pular a janela e ir atrás da banda.
A outra (professora de Editoração), certa vez nos disse que "para alguns é sempre válida a lei do menor esforço, o problema é que com ela você não aprende muito, não amplia seus horizontes, não conhece outras possibilidades".
Olhar pela janela, lei do menor esforço, acho q trata-se de não sair da zona de conforto. Aquela coisa de não ter muito trabalho, evitar a fadiga, deixar a vida passar sem grandes complicações e sem muito trabalho. 
Talvez o que me falte é isso, sair dessa minha zona de conforto, de optar apenas pelo que for mais fácil,  arriscar mais, acreditar mais em mim e essas coisas todas. 
Não é uma tarefa fácil, confesso. Mas, o ano novo ta aí pra isso, pra recarregar as energias e tentar mudar o que nos incomoda (não que seja necessário mudar o ano para fazer isso mas, é um estímulo a mais). Assim sendo, bora lá pular essa janela e seguir a banda. Antes que, como disse minha professora, falte a força pra pular a janela. :)




Um comentário:

  1. Vai logo mina!!!

    Como diz um grande amigo meu "Não acomodar com o que incomoda"

    E pensar no que deveria ter feito e não fez, incomoda pra caramba.

    Acompanhe a banda e mostre pra que veio ;)

    ResponderExcluir