sexta-feira, 28 de setembro de 2012


Dia desses, antes de dormir, estava pensando nas coisas da vida.
Coisas que passaram, oportunidades que agarrei com unhas e dentes, e outras que deixei passar.
Lembrei-me de um poema, que na minha adolescência não saia da minha mente.
Tinha ele escrito em cadernos, agendas, livros...
Fiquei surpresa ao perceber que até hoje lembro de todo o poema, deve ser por ter marcado  uma época da vida, que recordo com muito carinho.

E então, segue o poema.

             Só tu!

Dos lábios que me beijaram,
Dos braços que me abraçaram
Já não me lembro, nem sei...
São tantos as que me amaram!
São tantos as que eu amei!
 
Mas tu - que rude contraste! 
Tu, que jamais me beijaste,
Tu, que jamais abracei,
Só tu, nesta alma, ficaste,
De todos as que eu amei.
[Paulo Setúbal]

Depois de todas essas recordações, eu nos proponho que, mentalmente, levantemos uma taça e façamos um brinde. Um brinde as oportunidades aproveitadas, as boas lembranças, aos primeiros amores. Enfim, um brinde a vida.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Como é possível que ainda existam pessoas que não acreditam em amizade entre homem e mulher ??
Existe viu gente, e é bem comum se querem saber.





segunda-feira, 3 de setembro de 2012