sábado, 26 de novembro de 2011

E aí que esta chegando o mês que mais gosto no ano.
Gosto não só pelo fato de ser o mês do meu aniversário \o/.
Mas pelo clima que ele trás consigo. Dezembro é o mês do Natal,
e eu adoro o Natal. Conheço várias pessoas que preferem o Ano Novo e acham o Natal triste, eu prefiro 100% o Natal.
Sei lá, parece que uma nuvem de coisas boas pairam pelo ar. E eu me sinto bem.
Eu sei que não é bem assim, que as coisas não melhoram só porque é Natal,  que enquanto tem famílias reunidas em torno de uma mesa farta
tem pessoas sem ter o que comer. Eu sei disso.
Mas eu adoro o clima natalino, e as músicas e as luzes. Essas coisas me encantam mesmo.
Me lembro que quando era criança fazia questão de armar a árvore da minha casa. Hoje em dia minha mãe não liga mais para isso, diz que é besteira, e não montamos mais a árvore. Então eu enfeito a da casa de minha tia - que por motivos maiores este ano não  poderei fazê-lo =/.
Mas enfim, estou aguardando ansiosamente a chegada de dezembro.
Que ele nos traga paz, alegria e felicidades.


Boas Festas - Assis Valente


Essa é uma das músicas que mais gosto. 
O vídeo só contem o áudio, a letra é essa aqui .

sábado, 19 de novembro de 2011


Eu tenho uma amiga que sempre diz que ela jogou pedra na cruz, pelas coisas que acontecem com ela. E eu brinco que ela jogou pedra, chutou e cuspiu. Mas ultimamente tenho achado que eu a ajudei. Porque as coisas simplesmente nunca dão certo para mim. A coisa é tão séria que eu já estou até acostumada a tudo dar errado. Quando uma coisa parece que dará certo fico desconfiada. Alguns dizem que sou pessimista, mas não é pessimismo. E quando me ouvir dizer que algo deu certo para mim pode ter certeza que não foi fácil. Eu sofri antes, e chorei, e me estressei, e perguntei a Deus porque comigo é sempre assim.  Por que não pode ser simples?  Por que meu arco-íris não pode vim antes da tempestade?
Por que?
Eu me faço todos dias essa mesma pergunta que a Lara Mello.
Lara querida quando descobrir a resposta me diz =)

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Por que né, se tem uma coisa que eu não gosto, apesar de conviver a um pouco mais de dois anos com ela, é a distância.
Essa chata que não me deixa está ao lado das pessoas que gosto quando quero, quando preciso delas e quando elas precisam de mim.
Odeio quando quero estar perto das minhas amigas, quando quero rir com elas, sair, ou simplesmente fazer nada, apenas ficar vendo o tempo passar. Ou quando estou na maior "deprê" e que apenas um abraço me confortaria. Claro que a internet diminui - só um pouquinho de nada - essa distância, mas não é suficiente, não é a mesma coisa. Claro que também conquistei uma amiga aqui, mas as vezes eu queria as de lá.
Odeio quando elas estão com problemas e queria poder estar perto para abraçar, mas tudo que posso fazer é ligar e dizer: Eu estou aqui e você pode contar comigo sempre. Por que essa terrível distância me impede.
Odeio mais ainda quando tudo que eu mais preciso naquele momento é do colo da minha mãe, mas novamente tudo que posso fazer é ligar e ouvir sua voz, desligar e chorar porque mais que isso eu queria seu abraço confortador.
Odeio quando ela me faz sentir um peixinho fora d'água nesse lugar, que apesar de ter coisas que eu gosto não é o meu lugar.
Odeio quando ela afasta de mim pessoas que eu quero ter sempre por perto, porque por mais que agente lute contra isso quando a distância se junta com o tempo se você não tem um elo maior que o deles dois juntos é isso que acontece.
Odeio quando queria comer o macarrão de minha mãe, ou o bolo de cenoura de minha vó, ou as tantas coisas de minha tia. Mas tudo que posso fazer é me contentar com o meu próprio macarrão e bolo de supermercado- ainda não me arrisco a fazer um bolo sozinha - e comer como se fossem preparados por elas.
Odeio quando queria dar e receber aquele abraço e aquele beijo especial, mas tenho que me contentar com as lembranças.
 Eu sei que a distância não é capaz de apagar os verdadeiros sentimentos, mas alimenta a saudade e essa causa um dor enorme.
 Enfim não gosto mesmo de distância e pronto. E tudo que posso fazer é torcer para que os dias passem rápido e eu possa ir em casa matar essa saudade que me consome.


Quem inventou a distância nunca sofreu a dor de uma saudade!
                                                                                  Martha Medeiros

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Início

Sempre quis ter um blog, mas me faltava tempo e coragem.
Hoje percebi que não me falta mais nada. Então aqui estou 
eu escrevendo o primeiro post para o meu 1° blog.
Bom, aqui vocês lerão sobre as mil coisas que se passam pela minha mente, 
os meus vários pensamentos. Eu penso muito sobre tudo. Coisas boas, coisas não tão boas.
Coisas alegres, tristes, sérias, confusas. E sobre tudo isso junto, rsrsrs.
As vezes os textos parecerão desordenados, mas não se preocupem, 
é que a mente dessa pessoa aqui as vezes é desordenada, mas no fundo tudo faz sentido =).
Espero que gostem. 
Sejam bem-vindos !

Beijos da Pri !


Para começar bem, um videozinho de uma música que eu gosto muito.


  Cidade Negra - Pensamento