sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

E que 2011 foi um ano de altos e baixos, isso foi.
Mas não posso negar que ele me trouxe, em fevereiro, o maior presente que já ganhei nos meus 23 anos de vida.
Minha afilhada.
Alice Maria é a coisa mais thuca/linda/fofa da dinda.
Tem 1 ano e 5 meses e é pequenininha.
Não pára quieta um segundo e fala pelos cotovelos. Esperta que só ela, não pode ver ninguém usando óculos que quer pegar. Também não pode ver um teclado que quer mexer.
A coisa mais linda que ela aprendeu ultimamente foi me chamar de dinda Pri.
Eu me derreto com ela, é muito amor, muito amor.
É provável que em 2013 ela se mude para o Rio com os pais =/, e eu já estou imaginando como vai ser. Já estou até prevendo que será a maior choradeira.
Quero estar por perto o tempo todo e ser uma madrinha presente, saber como está indo na escola, como foi o dia, levar para passear, essas coisas.
Mas enquanto 2013 não chega vou curtindo meu toquinho o máximo possível.





Dengo da dinda <3

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Então que meu aniver demorou tanto para chegar e passou voando.
Foi um good day, apesar de todos os perrengues.
Teve um pouco de choro, muito sorriso, muitas lagrimas emotivas,
muitas felicitações, alguns presentes e surpresas,
muitos abraços (alguns velhos conhecidos, outros novos).
Diferente de todos os outros anos a maior surpresa foi
meu pai me ligar bem cedinho (antes de minha mãe que é sempre a primeira) e cantar "parabéns pra você", e eu sendo eu, chorei que só.
Outra surpresa foi minha irmã me ligar ( primeira vez na vida).
Enfim... que a minha 23° primavera me traga muitas alegrias, saúde,
realizações, e mais sonhos para serem conquistados.


Meus presente materiais. Infelizmente os afetivos 
não posso fotografar, apesar de serem os mais importantes.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

E aí que a pessoa fica toda feliz com a chegada do seu niver, e até faz contagem regressiva.
 Mas quando chega um dia antes fica na maior deprê e sem
ânimo para comemorações.
Todo ano é a mesma coisa. =/

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Estava aqui pensando que comecei o blog, tudo muito bom, tudo muito lindo, mas esqueci de me apresentar. 
Vocês devem se perguntar quem é essa Priscila??
Sinto decepcionar-lhes meus queridos, mas não tenho uma resposta exata para vocês, descubro ao novo sobre mim todos os dias. 
Mas eu posso escrever um pouco sobre as coisas que sei. Então vamos lá.

Esta que vos escreve é Priscila dos Santos Dias, sagitariana, prestes a completar 23 primaveras \o/. - a ficha ainda nem caiu, rsrsr.
Tem 1,55m odeia ser baixinha e adora quando tem alguém mais baixo na mesma turma - assim deixo de ser o foco de zoação dos colegas.
Estudante do 6°(quase 7°) semestre do curso de Biblioteconomia e Documentação, ama o curso e não se vê fazendo outra coisa da vida. Não vê a hora de chegar a formatura porque vida de estudante é dureza, rsrsrsr.
Natural do interior da Bahia, caiu na capital de para-quedas para cursar a faculdade, mas não vê a hora de poder voltar =) . Nesses dois anos e um pouquinho que esta aqui amadureceu muito e deixou de ser aquela menininha que chorava por tudo - chorar agora esta difícil, as vezes nem que eu queira eu consigo.
É dramática - procuro ao máximo me controlar mas não consigo- , ciumenta - não gosto de sentir ciúmes, mas quando me dou conta já estou sentindo, indecisa, teimosa, tímida - ao ponto das pessoas me acharem metida, entretanto quando pega amizade com alguém já era. E ainda assim consegue ser a pessoa mais sensível do mundo.
Romântica que só, mas no momento anda desacreditada do amor =/
É uma chocólatra incurável, não pode ver o stande da Cacau Show que tem que comprar um bombom.
Ama cinema, teatro, ler, escrever, sair com as amigas, ouvir música - ao ponto de achar que é doença rsrs, ficar em casa sozinha, conversar - uma tagarela -, mas que também gosta de ficar em silêncio pensando na vida, gosta de cozinhar, - mas não sei fazer quase nada.
Super organizada, não gosta de ver uma poeira fora do lugar rsrsr - as vezes acho que tenho TOC, mas é culpa de minha mãe que me criou assim rsrs.
Não quer casar, mas quer ser mãe de um casal de filhos - que até já tem nomes: Alice e Pietro, rsrs.
Não suporta gente falsa, nem mentiras. Se apega muito fácil e por conta disso já teve o coração partido algumas vezes. Mas sempre dá a volta por cima porque a vida é assim mesmo.
Tem as melhores amigas que o mundo podia dar, e super valoriza essas poucas porém sinceras amizades.
Tem a família mais maluca do mundo e ama fazer parte dela.


Enfim... é mais ou menos isso, o que faltar vai virando post aqui no blog.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011


E eis que chegou ele. Meu lindo, maravilhoso, esplendoroso e gostoso Dezembro.

Que venha em paz, e nos traga alegria !




P.S.: Passe devagar, por favor !!
 




sábado, 26 de novembro de 2011

E aí que esta chegando o mês que mais gosto no ano.
Gosto não só pelo fato de ser o mês do meu aniversário \o/.
Mas pelo clima que ele trás consigo. Dezembro é o mês do Natal,
e eu adoro o Natal. Conheço várias pessoas que preferem o Ano Novo e acham o Natal triste, eu prefiro 100% o Natal.
Sei lá, parece que uma nuvem de coisas boas pairam pelo ar. E eu me sinto bem.
Eu sei que não é bem assim, que as coisas não melhoram só porque é Natal,  que enquanto tem famílias reunidas em torno de uma mesa farta
tem pessoas sem ter o que comer. Eu sei disso.
Mas eu adoro o clima natalino, e as músicas e as luzes. Essas coisas me encantam mesmo.
Me lembro que quando era criança fazia questão de armar a árvore da minha casa. Hoje em dia minha mãe não liga mais para isso, diz que é besteira, e não montamos mais a árvore. Então eu enfeito a da casa de minha tia - que por motivos maiores este ano não  poderei fazê-lo =/.
Mas enfim, estou aguardando ansiosamente a chegada de dezembro.
Que ele nos traga paz, alegria e felicidades.


Boas Festas - Assis Valente


Essa é uma das músicas que mais gosto. 
O vídeo só contem o áudio, a letra é essa aqui .

sábado, 19 de novembro de 2011


Eu tenho uma amiga que sempre diz que ela jogou pedra na cruz, pelas coisas que acontecem com ela. E eu brinco que ela jogou pedra, chutou e cuspiu. Mas ultimamente tenho achado que eu a ajudei. Porque as coisas simplesmente nunca dão certo para mim. A coisa é tão séria que eu já estou até acostumada a tudo dar errado. Quando uma coisa parece que dará certo fico desconfiada. Alguns dizem que sou pessimista, mas não é pessimismo. E quando me ouvir dizer que algo deu certo para mim pode ter certeza que não foi fácil. Eu sofri antes, e chorei, e me estressei, e perguntei a Deus porque comigo é sempre assim.  Por que não pode ser simples?  Por que meu arco-íris não pode vim antes da tempestade?
Por que?
Eu me faço todos dias essa mesma pergunta que a Lara Mello.
Lara querida quando descobrir a resposta me diz =)

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Por que né, se tem uma coisa que eu não gosto, apesar de conviver a um pouco mais de dois anos com ela, é a distância.
Essa chata que não me deixa está ao lado das pessoas que gosto quando quero, quando preciso delas e quando elas precisam de mim.
Odeio quando quero estar perto das minhas amigas, quando quero rir com elas, sair, ou simplesmente fazer nada, apenas ficar vendo o tempo passar. Ou quando estou na maior "deprê" e que apenas um abraço me confortaria. Claro que a internet diminui - só um pouquinho de nada - essa distância, mas não é suficiente, não é a mesma coisa. Claro que também conquistei uma amiga aqui, mas as vezes eu queria as de lá.
Odeio quando elas estão com problemas e queria poder estar perto para abraçar, mas tudo que posso fazer é ligar e dizer: Eu estou aqui e você pode contar comigo sempre. Por que essa terrível distância me impede.
Odeio mais ainda quando tudo que eu mais preciso naquele momento é do colo da minha mãe, mas novamente tudo que posso fazer é ligar e ouvir sua voz, desligar e chorar porque mais que isso eu queria seu abraço confortador.
Odeio quando ela me faz sentir um peixinho fora d'água nesse lugar, que apesar de ter coisas que eu gosto não é o meu lugar.
Odeio quando ela afasta de mim pessoas que eu quero ter sempre por perto, porque por mais que agente lute contra isso quando a distância se junta com o tempo se você não tem um elo maior que o deles dois juntos é isso que acontece.
Odeio quando queria comer o macarrão de minha mãe, ou o bolo de cenoura de minha vó, ou as tantas coisas de minha tia. Mas tudo que posso fazer é me contentar com o meu próprio macarrão e bolo de supermercado- ainda não me arrisco a fazer um bolo sozinha - e comer como se fossem preparados por elas.
Odeio quando queria dar e receber aquele abraço e aquele beijo especial, mas tenho que me contentar com as lembranças.
 Eu sei que a distância não é capaz de apagar os verdadeiros sentimentos, mas alimenta a saudade e essa causa um dor enorme.
 Enfim não gosto mesmo de distância e pronto. E tudo que posso fazer é torcer para que os dias passem rápido e eu possa ir em casa matar essa saudade que me consome.


Quem inventou a distância nunca sofreu a dor de uma saudade!
                                                                                  Martha Medeiros

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Início

Sempre quis ter um blog, mas me faltava tempo e coragem.
Hoje percebi que não me falta mais nada. Então aqui estou 
eu escrevendo o primeiro post para o meu 1° blog.
Bom, aqui vocês lerão sobre as mil coisas que se passam pela minha mente, 
os meus vários pensamentos. Eu penso muito sobre tudo. Coisas boas, coisas não tão boas.
Coisas alegres, tristes, sérias, confusas. E sobre tudo isso junto, rsrsrs.
As vezes os textos parecerão desordenados, mas não se preocupem, 
é que a mente dessa pessoa aqui as vezes é desordenada, mas no fundo tudo faz sentido =).
Espero que gostem. 
Sejam bem-vindos !

Beijos da Pri !


Para começar bem, um videozinho de uma música que eu gosto muito.


  Cidade Negra - Pensamento